Como a tecnologia já está substituindo os pedreiros no mundo

Se você acha que seu emprego vai ser sempre do jeito que é, melhor repensar o conceito. Não é de hoje que as novas tecnologias estão avançando e substituindo os pedreiros ao redor do mundo.

Em 2016, uma empresa se destacou na área ao criar um robô capaz de construir uma casa em apenas dois dias. O projeto era experimental, mas foi confirmada a precisão, rapidez e redução de custos da empreitada através de um único maquinário. Se em dois anos a área já teve essa novidade, imagine o que virá a seguir.

Mas esse texto não é para te alarmar de maneira negativa, como se toda tecnologia já estivesse substituindo os pedreiros e acabando com essa área de atuação. A profissão como a conhecemos ainda vai existir durante um tempo, mas, justamente por não sabermos até quando, a ideia é plantar nos pedreiros a ideia de adaptação.

Assim, se surgir alguma coisa substituindo os pedreiros em tarefas corriqueiras, como o empilhar de tijolos, essa é uma oportunidade para que o profissional veja onde pode ser útil e se especializar para além disso. Basta lembrar que, anos atrás, eram as mãos humanas que misturavam diversos materiais que hoje são manipulados por betoneiras e outros instrumentos do tipo.

E, mesmo assim, a vida não veio substituindo os pedreiros todos: ficaram para a próxima fase aqueles capazes de aprender coisas novas e sair só da mistura de receitas.

Como lidar com tecnologias que estão substituindo os pedreiros

A primeira coisa a se fazer na hora de conviver com tecnologias que estão substituindo os pedreiros é não surtar. Não adianta nada se revoltar contra a máquina, por um motivo muito simples: ela é mais barata do que qualquer mão de obra humana, a longo prazo – e não tem sentimentos, então ela não vai se ofender se você quiser vê-la longe.

A segunda coisa é aprender sobre como lidar com a nova tecnologia no dia a dia. Se ela está substituindo o pedreiro em uma área X, por que não se especializar nela e ser a pessoa que opera a máquina? Afinal, o mínimo que se precisa hoje é de alguém para ligar e desligar um botão, certo?

Se você não quer ser mais uma vítima das tecnologias que estão substituindo os pedreiros, alie-se a elas e tire o melhor proveito dessa empreitada. Aqui vão algumas dicas de novas tecnologias para que você possa ir se inteirando do que fazer caso elas venham a tomar, definitivamente, seu lugar no canteiro de obras:

  1. Tijolos ecológicos: pedreiros que fabricam ou manipulam tijolos podem aprender esse novo conceito e sugeri-lo aos clientes como uma inovação de sua obra. Quem trabalha em olaria pode tentar se especializar, inclusive, na aplicação desses tijolos, que podem requerer cuidados especiais;
  2. Impressão 3D: até o robô que citamos no início desse texto não faz tudo sozinho – como, por exemplo, não é ele quem fabrica os materiais em 3D com os quais precisa construir. Assim, se ele for operar as pás da construção, você pode pensar em operar as máquinas de impressão 3D, construindo as ferramentas que os robôs (ou outros humanos) precisam;
  3. Contrapiso autonivelante: se niveladores de piso são sua especialidade, existe uma ameaça no horizonte. O contrapiso autonivelante tem um material de fluidez elevada que consegue reduzir pela metade o tempo de execução de nivelamento em uma obra. É para se desesperar? Claro que não! Que tal aprender a operar as máquinas e desenvolver projetos que tornam isso possível? Afinal, por mais que o contrapiso seja autonivelante, isso não quer dizer que ele vai, por conta própria, decidir se nivelar e fazer todo o serviço. Essa pode ser, inclusive, uma nova ferramenta na sua maleta inovadora.

Ficou sabendo de mais alguma tecnologia que está substituindo os pedreiros e quer saber como você pode utilizá-la da melhor forma? Conta pra gente que vamos te ajudar a entender a forma adequada de garantir seu lugar no mercado de trabalho justamente através dela.w

Comments

Comentários


Deixe uma resposta